Assembleia de Deus
Assembleia de Deus
Ministério Belém
Setor 06 - Congregação Valo Velho I
Pastor Presidente José Wellington Bezerra da Costa

Estudos Bíblicos > Tornando o louvor acessível

 O Livro de Oração para Comunidade foi publicado pela primeira vez em 1549, com uma revisão maior em 1662. Uma das principais finalidades deste livro foi a de fazer as orações e liturgias da Igreja da Inglaterra acessível ao homem comum.

Como diz em seu prefácio, o seu objetivo é “… para expressar de uma forma melhor palavras e frases de uso antigo, adequando os termos à linguagem dos tempos atuais…”

Em nosso papel como líderes de louvor e compositores que somos chamados a servir congregações em que ministramos. Uma das maneiras de fazer isso é tornando nossos momentos de adoração congregacional ACESSÍVEL. Fiquei saturado com ministérios de louvor e adoração que não fazem nada disto. Já vi dez minutos de solos de bateria, músicas com letras que exigem de você o uso de um dicionário para entender as palavras, arranjos musicais tão complicados que ninguém tem idéia de como participar, músicas cantadas tão lentamente que é insuportável.

Devemos lembrar-nos, que ministrar o louvor e a adoração é ser parte de uma equipe e não de um ministério para nós mesmos, é um chamado para servir e liderar os outros, para facilitar para os outros, uma resposta de adoração.

Enquanto planejamos nossas listas de ministrações, precisamos pensar essa questão “acessibilidade” completamente:

a) As pessoas vão conhecer a maioria das canções?

b) Existe uma chave onde a maioria pode se conectar?

c) 5 minutos solo de guitarra é realmente necessário?

d) Será que a composição instrumental atrai as pessoas ou as espantam?

e) Será que as letras fazem sentido?

Para crescer mantendo nossa adoração acessível encorajo-vos a pedir um retorno do conjunto listas que já são conhecidas e as novas músicas que você introduzir. É muito útil ouvir o que realmente conecta as pessoas, ao invés de nós investirmos em nossas preferências pessoais.

Eu amo a visão do “Oração para Comunidade”. Faz com que a expressão oral do culto seja clara e acessível a todas as pessoas. Quando deixamos de conduzir a adoração de uma forma que seja inclusiva deixamos de incentivar as pessoas a se soltarem. Nós realmente deixamos de fazer tudo o que um líder de louvor e adoração é chamado a fazer.

Não me interpretem mal – eu não estou dizendo que por um minuto devemos ser tolos e nos contentarmos com o menor denominador comum.

Mas o perigo pode estar em ficar no raso e acabar esfriando, deixando de encorajar as pessoas a mergulharem. Estar à frente não é sobre um som original e peculiar, estou convencido de que está relacionado a ser conduzido pelo Espírito Santo.

Então, uma pergunta difícil de fazer – A quem estamos priorizando quando chegamos para ministrar o louvor? A nós mesmos e ao nosso ego? Ou ao povo de Deus?

Por Tim Hughes

 



Confira Também:

A peregrinação do povo de Deus
Casamento não vem pronto, se constrói
Da espera de um milagre à ação
Novela não é programa para crente
Casamento não vem pronto, se constrói – Parte 4
Casamento não vem pronto, se constrói – Parte 2
Copyright © Assembleia de Deus - 2010 - 2018 - Todos os direitos reservados.
Rua: Luar do Sertão, 1.257 - Cep: 04434-000 - Valo Velho
Validado em  XHTML