Assembleia de Deus
Assembleia de Deus
Ministério Belém
Setor 06 - Congregação Valo Velho I
Pastor Presidente José Wellington Bezerra da Costa

Notícias > Saiba por que a Música Gospel faz tanto sucesso no Brasil

Estudioso tenta explicar o fenômeno da música gospel no Brasil.

Por Redação OGalileo

30/11/2010 15:22h
Uma gravadora de música gospel brasileira conseguiu faturar R$ 18 milhões em 2008. No mesmo ano, uma cantora evangélica emplacou seu hit na trilha sonora em novela do horário nobre da TV Globo. Foram fatos como esses que fizeram Joêzer Mendonça buscar os motivos do sucesso da música religiosa. “Quis entender o que a levou a ser esse fenômeno de público e de vendas”, conta o professor e pianista de música sacra.

 

Para investigar a popularidade da música evangélica durante o preparo de sua dissertação de mestrado – O Gospel é Pop: Música e Religião na Cultura Pós-Moderna, apresentada no núcleo de Musicologia do Instituto de Artes da Unesp no ano passado –, o professor passou a ouvir muitas canções. 

“Tem de tudo, desde rock até funk evangélico; os artistas se apropriam desses ritmos populares para alcançar um público maior.” Mendonça afirma que essa apropriação dos ritmos populares é um dos fatores que mais contribuem para a vendagem dos discos.

“A música serve para dar sentido para as pessoas que não conhecem a religião. Cada gênero serve a um nicho de mercado ou de pessoas a serem evangelizadas.” De acordo com o professor, a canção gospel moderna é elemento primordial das novas práticas litúrgicas – e tem demonstrado atender não somente às demandas espirituais e emocionais, como também às exigências do mercado.O mercado, aliás, caminha junto com o sagrado, explica o autor da dissertação. “Vivemos numa era de intenso incentivo ao consumo e inclusive há o processo de sacralização do consumo: consumir é como levar o sagrado para casa”, diz. “Então, comprar um CDevangélico é como ser cristão.” 

Outro motivo para que a música gospel seja um sucesso de vendas, segundo o autor, foi uma mudança de percepção. Antes, quem definia como ser cristão era o pastor, o padre, enfim. Hoje, o fiel é mais autônomo. “Pode interpretar a Bíblia de várias formas, assim como pode escolher o que considera ser cristão. Se ele acha que comprar umCD de pagode gospel é ser temente a Deus, ele se sente livre para fazê-lo”, avalia.

O autor faz uma ressalva. “Questiono se esse processo de transformar música religiosa emmúsica pop não dilui a mensagem do Evangelho.”



Informações Estadão / Unesp


Confira Também:

Harpa Cristã - 90 anos
AD em São Paulo, Ministério do Belém batizou 9,7 mil em 2010
Pastor brasileiro no Japão diz que Deus guarda
Paulo Freire deputado evangélico é investigado por envolvimento em esquema de corrupção da “Máfia do Asfalto”
Ateus tentam tirar Jesus do foco natalino
Satanistas querem atrair crianças
Copyright © Assembleia de Deus - 2010 - 2018 - Todos os direitos reservados.
Rua: Luar do Sertão, 1.257 - Cep: 04434-000 - Valo Velho
Validado em  XHTML